AO VIVO
Menu
Busca quinta, 17 de junho de 2021
Busca
Curitiba
13ºmax
min
Correios Celular - Mobile
Internacional

Israel permitirá a Marcha das Bandeiras pela Cidade Velha de Jerusalém

Governo diz que marcha deve prosseguir 'em um formato' a ser acordado entre a polícia e os organizadores

10 junho 2021 - 11h25Por Elisângela Silva Bispo Lima
Israel permitirá a Marcha das Bandeiras pela Cidade Velha de Jerusalém

O Governo de Benjamim Netanyahu voltou atrás e decidiu permitir a “Marcha das Bandeiras” na próxima semana.

O evento, que estava marcado para acontecer nesta quinta-feira (10), foi proibido pela polícia israelense, que considerou o roteiro como uma brecha para reacender os conflitos na faixa de Gaza.

O gabinete do premier israelense aprovou a realização do protesto após no gabinete, que aconteceu na terça-feira (8).

“O desfile acontecerá na próxima terça-feira (15 de junho) em um formato a ser acordado entre a polícia e os organizadores do desfile”, disse um comunicado do escritório de Netanyahu, divulgado pela agência árabe de notícias Al Jazeera.

 

Leia mais:

Polícia israelense impede marcha da direita pela Cidade Velha de Jerusalém

 

Essa decisão de voltar atrás e permitir a realização do evento da extrema direita nacionalista reacende os ânimos com o grupo extremista palestino Hamas, que controla a região de Gaza (que inclui a Cidade Velha de Jerusalém).

A "Marcha da Bandeiras" é organizada por grupos pró-colonos, que planejaram marchar através da Cidade Velha (Jerusalém Oriental), passando pelo portão de Damasco e por um bairro muçulmano.

De acordo com a Al Jazeera, um alto funcionário do Hamas, Khalil al-Hayya, advertiu Israel na segunda-feira (7), para que não deixasse a marcha se aproximar de Jerusalém Oriental e do complexo da Mesquita de Al-Aqsa. O alerta em tom de ameaça teria sido feito referindo-se aos ataques ocorridos em maio, quando se iniciaram os conflitos na região.

Em mensagem mais direta, o Hamas disse que espera que a mensagem seja claramente compreendida pelo governo israelense, "para que quinta-feira não se torne [um novo] dia 10 de maio”.

A comunidade internacional ainda não se pronunciou sobre a decisão do gabinete de Netanyahu em autorizar a realização do evento.